Tag : world building

A Jornada da Mestra – Construa um mundo tão legal quanto você!

Grupo de aventureiros no primeiro e Vectora ao fundo

Construção de mundo, ou worldbuilding para os gringos, é uma das minhas partes favoritas em mestrar. Sempre gosto de ver a exploração dos jogadores ou eles ignorando informações que voltam para morder a bunda deles. Mas, sobretudo, se divertindo ao desvendar os segredos espalhados por aí.

Elaborar um mundo inteiro requer certo esforço. São vários detalhes a se pensar, estratégias para despertar a curiosidade dos jogadores e etc, mas não é indispensável caso você não queira algo super complexo, ou apenas não esteja no clima para o trabalho. Pequenas regiões, cidades ou cenários pré-estabelecidos já ajudam muito. Ter um norte é menos complicado do que começar do zero, assim como criar espaços menores.

Mas qual o papo de hoje, hein?

Stranger Things Season4 Eddie Munson GIF - Stranger Things Season4 Eddie Munson Edward Munson - Discover & Share GIFs

Um pouco de tempero

O papo é sobre os necessários sal e pimenta para que a receita não fique com gosto de papelão, em especial, aquele “segredinho” culinário.

Numa conversa com alguns amigos, compartilhando o vícios de criar NPCs, comentei sobre como eu achava alguns elementos no D&D limitados. Muitas coisas poderiam ser resumidas em “essa raça aqui é toda x”, “esses daqui são todos y” e assim vai, reforçando alguns estereótipos nada legais.

Em certo momento do ano passado eu enjoei de jogar, achei que tinha saturado de RPG, mas percebi que eu havia cansado de D&D, na época sistema majoritário das mesas das quais eu participava. Hoje o D&D ainda é maioria, embora em menor quantidade, mas notei algo que me ajudou a encontrar o porquê de eu ter cansado de jogar.

Mas o que isso tem haver com as metáforas de comida?

Se várias mesas utilizam o mesmo sistema, seguindo à rigor os elementos propostos pelo cenário, algumas coisas vão se repetir e isso torna certas coisas previsíveis. Com o tempo, o jogador saberá o que esperar caso surja aquele NPC da raça X, na qual todos são uns desgraçados. Pode ser que role um metagaming por conta disso, mas isso não é problema meu porque já é uma conversa para outro artigo.

Deixar um pedacinho seu no mundo é o que o torna tão interessante. Uma vez participei de uma conversa com uma autora que disse que “original” remetia a “origem”, nesse caso a origem do autor. Isto é, o que torna sua história original é o que você põe de você nela. É o seu temperinho especial.

Esqueça o Sazon, colha algumas ervas

Coloque seu “segredinho”, o sal e a tormenta, digo, pimenta, no mundo que você quer construir. O mestre é um jogador e também merece um pouco de fanservice. Pode ser uma referência a um filme, a uma parte de um jogo, uma música, até mesmo a uma situação que todos tenham vivido juntos. Você não vai ser processado se adaptar aquela bossfight insana do Elden Ring para a sua mesa. 

Às vezes não é necessário ser alguma referência, mas um item que você gostaria que existisse, um deus esquecido, uma montanha oca, qualquer coisa. O homebrew pode lavar almas – caso não saiba, homebrew é qualquer coisa não oficial do sistema, desde itens a monstros.

♡ emi エミ ♡ on Twitter: "Yes, Oda recently depicting Nami as a mermaid in Luffy's eyes can be seen as a cute throwback to how he first drew her. But.. Luffy's

O fanservice é para todos. A minha mesa de Tormenta20 está recheada de referências às lendas arturianas e 90% dos jogadores não pegam algumas das menções mais obscuras. Nada que afete o entender e o caminhar da história, é claro – uma canalhice sem tamanho eles precisarem saber tudo o que eu sei, portanto não seja um canalha.

Existe uma coluna na Dragão Brasil que traz vários personagens da cultura pop como chefes de fase.

Se você e seus amigos estão se divertindo, sem impor uma vontade sobre a outra, está tudo bem. Dar vivacidade ao cenário é trabalhoso, mas não é enfrentar um Geraktril no nível 1 (coisas que já ocorreram). Deixa a criatividade rolar: coloque o The Rock no meio da campanha, faça seus jogadores encontrarem o Kratos no meio do caminho, jogue os personagens no meio da Uruguaiana em pleno verão no Rio de Janeiro.

O céu é o limite.

Tomem água, passem protetor solar e comam frutas. 

Até a próxima!